COMPONENTES

Substratos são as chapas de vidro individuais utilizadas para processar o produto final, conhecidas comumente por vidro float, vidro bruto ou mesmo monolítico. Os substratos estão disponíveis na aparência incolor, extraclara ou colorida, em diferentes espessuras. Incolor é o substrato de vidro com uma leve coloração verde. Extraclaro (low iron) é um substrato com menor teor ferro em sua massa, o que reduz a tonalidade verde e aumenta a transparência. Para vidros coloridos há várias opções. Além de conferir uma aparência específica, as cores têm a vantagem de melhorar o desempenho.

CORES
Incolor Verde Cinza Verde-Escuro Bronze Azul Extraclaro (low iron)

ESPESSURAS Todos os substratos estão disponíveis em 4 mm e 6 mm. Para outras espessuras, entre em contato com nosso setor comercial ou de especificação.

SUBSTRATOS ESPECIAIS

Antirreflexo

O vidro antirreflexo é produzido com a aplicação de um revestimento que atenua os reflexos luminosos indesejados, sem alterar a transparência do produto. São ideais para ambientes que exigem baixa reflexão, como vitrines e bibliotecas.

Autolimpante

Um revestimento transparente aplicado ao vidro funciona como um “repelente” de sujeira, água e outros líquidos, otimizando as operações de manutenção do edifício. Como as propriedades autolimpantes são ativadas pela luz solar, seu uso é indicado para fachadas e coberturas.

Antifogo

A GlassecViracon fornece duas modalidades de vidros resistentes ao fogo: o para-chamas e o corta-fogo. O para-chamas permite que o vidro continue transparente em caso de incêndio, facilitando a retirada das pessoas em segurança e possibilitando a visão das áreas incendiadas. Possui a classificação E (Integridade), conferida internacionalmente aos produtos que impedem a passagem de chamas e gases tóxicos, durante um determinado período de tempo.

O corta-fogo possui a classificação EI (Integridade e Isolamento), atribuída aos produtos que, além de impedir a passagem de chamas e gases tóxicos, promovem o isolamento do calor, durante um determinado período de tempo.

Ambas as modalidades de vidro antifogo atendem às exigências do Corpo de Bombeiros e são indicadas para aplicação em fachadas, divisórias, soleiras, portas, janelas e telhados.

LOCALIZAÇÃO DO SUBSTRATO

Em peças com múltiplas camadas de vidro, é indispensável especificar o substrato a ser utilizado em cada camada, pois sua localização está diretamente relacionada a seu desempenho.

Vidro Insulado

Vidro revestido colorido #2 6mm +
Câmara de ar 12mm + Incolor 6mm




  • TL: 41%
  • RLe: 19%
  • Abs: 66%
  • FS: 26%
  • Valor U: 1,6 W/(m².K)

Vidro revestido #2 6mm + Câmara de ar 12mm + Colorido 6mm




  • TL: 41%
  • RLe: 25%
  • Abs: 48%
  • FS: 34%
  • Valor U: 1,6 W/(m².K)

Vidro Laminado

Vidros revestido #2 6mm +
PVB Incolor 0,38mm + Incolor 6mm




  • TL: 38%
  • RLe: 9%
  • Abs: 73%
  • FS: 37%
  • Valor U: 5,5 W/(m².K)

Vidro revestido #2 6mm + PVB Incolor
0,38mm + Colorido 6mm




  • TL: 39%
  • RLe: 16%
  • Abs: 59%
  • FS: 34%
  • Valor U: 5,6 W/(m².K)

Revestimentos são finas camadas de metal aplicadas à peça de vidro para melhorar seu desempenho energético e por isso são conhecidos como vidros de controle solar. A primeira geração de revestimentos foram as camadas refletivas, que dão uma aparência espelhada ao edifício. Devido à sua alta capacidade de reflexão e absorção da luz solar, o vidro refletivo reduz a incidência de calor, proporcionando conforto térmico e transmissão luminosa menos intensa. Mais recentemente, os revestimentos de baixa emissividade (low-e) assumiram um maior protagonismo nos cenários urbanos. Devido à sua capacidade de refletir a radiação infravermelha de ondas longas, o revestimento low-e reduz ainda mais a absorção de calor, o que resulta em maior economia de energia para a edificação. Os vidros refletivos e low-e podem ser fabricados pelos processos on-line ou off-line, conhecidos também como pirolítico e sputtering, respectivamente. No primeiro é feita a aplicação de uma fina camada metálica durante o processo de fabricação do vidro float. Já no processo off-line são aplicadas múltiplas camadas de revestimento numa câmara a vácuo. Os vidros refletivos e low-e processados pela GlassecViracon atendem aos requisitos da NBR 16015.

POSIÇÃO DA FACE DO REVESTIMENTO

A posição do produto revestido segue as denominações recomendadas para as superfícies, também chamadas faces. Cada peça de vidro tem duas faces. A face voltada para o exterior da edificação é denominada face #1; o verso dessa peça é a face #2.
Para vidros com múltiplas peças de vidro, é necessário denominar cada uma delas, conforme estes exemplos.

Insulado

Insulado Laminado

Triplo Insulado

Laminado

Spandrel é o painel localizado entre a área de visão e a área que encobre colunas estruturais, pisos e paredes. Para este tipo de aplicação, a GlassecViracon oferece alternativas em vidros serigrafados.

HARMONIZAÇÃO ENTRE SPANDREL E ÁREA DE VISÃO

Um projeto em geral requer que os vidros de spandrel (vão cego) se harmonizem com os vidros das áreas de visão do edifício. Contudo, isso às vezes é difícil de conseguir quando o vidro tem alta transmissão luminosa e baixa reflexão externa — isto é, quando o vidro é mais transparente. Para esses casos, os vidros de baixa transmissão luminosa combinados com os de alta reflexão oferecem o menor contraste entre o vão cego e as áreas de visão, independente das condições de variação de luz.

Além disso, as condições variáveis do céu também podem influenciar nossa percepção das cores do vidro e sua aparência geral. Em um dia claro e ensolarado, a intensidade da luz exterior é de aproximadamente 50 a 100 vezes maior do que no interior iluminado do prédio. Quando o vidro é visto do lado de fora do edifício, a característica visual dominante é o reflexo externo. Em dias encobertos, há uma disparidade visual maior entre o vão cego e a área de visão.

Esse efeito se deve à transparência do vidro e à percepção de profundidade criada pela iluminação interior. As áreas do vão cego tendem a ter uma aparência plana com apenas duas dimensões, por contraste.

Os vidros usados em vãos cegos ficam opacos porque só podem ser vistos por reflexo. Já os vidros utilizados em áreas de visão possuem certo grau de transmissão. Como a transmissão de luz dos vidros das áreas de visão aumenta quando o tempo está encoberto, a luz interior torna-se predominante.

A GlassecViracon recomenda que seja feita uma análise de amostras ou de protótipos em tamanho real dos vidros a serem utilizados na harmonização entre a área de visão e o vão cego quando a transmissão luminosa do vidro da área de visão exceder 14%.

Um maior contraste entre a área de visão e o vão cego ocorre quando são usados vidros não revestidos, coloridos (verde, bronze, azul, entre outros) ou vidros de alta transmissão luminosa. Sob estas condições, unidades insuladas no vão cego podem criar a ilusão de profundidade e assemelhar-se ao vidro da área de visão de forma mais precisa.

Construindo a área de visão e do vão cego de modo similar (a mesma cor de vidro externa, revestimentos, entre outros), o contraste pode ser minimizado de acordo com as condições de iluminação.

Por sua grande versatilidade, os vidros serigrafados são amplamente utilizados em coberturas e fachadas para atender a requisitos de desempenho energético, design e revestimento. Processados por calor, os serigrafados da GlassecViracon são termoendurecidos para oferecer resistência superior à de vidros monolíticos da mesma espessura, tipo e tamanho. Quando temperados, a resistência é ainda maior. Para desenvolver o seu produto serigrafado, é importante selecionar o padrão, a cor e a orientação da figura na face onde será aplicada. Se optar por criar o seu próprio desenho, envie-o em dwg em alta resolução e nossa equipe desenvolverá o seu produto. PADRÕES DE SERIGRAFIA 20% Cobertura 30% Cobertura 50% Cobertura 60% Cobertura Para aplicação em vidros laminados nas faces 2 e 3, utilizamos cobertura máxima de 25%.

SERIGRAFIA PLENA

Na serigrafia plena, a tinta cerâmica é aplicada em toda a face da peça, nas cores de referência do sistema RAL. Essa técnica é amplamente utilizada em spandrel glass e revestimento de paredes.



EFEITO MOIRÉ

O efeito Moiré é um fenômeno óptico que se apresenta em formas onduladas, encrespadas ou circulares sob determinadas condições. Trata-se de um modelo formado quando dois desenhos espaçados regularmente são sobrepostos, mas não alinhados. Exemplos comuns desse efeito são as telas de janela ou tecidos trançados. Nesse caso, o padrão Moiré parece “tremular” quando a luz é refletida a partir da superfície.



Efeito Moiré Quando desenhos serigrafados são usados em aplicações de arquitetura, é possível que um padrão Moiré seja visualizado no vidro, sob certas condições e ângulos específicos de luz natural, além de fatores relativos a dinâmicas próprias do processo de construção da obra. Cada uma das superfícies dos vidros planos usados em arquitetura reflete luz. Quando desenhos serigráficos são aplicados sobre a segunda face de um vidro insulado, a imagem é refletida para fora da terceira face do vidro. É a interferência da imagem refletida a partir da terceira face pelo desenho serigrafado aplicado na segunda face que causa o efeito Moiré. Essa característica pode ser acentuada pelo ar contido na câmara que intercala as camadas de vidro insulado. O ar se expande quando é aquecido e se contrai quando esfriado. A deflexão do vidro pode criar as condições necessárias para que o padrão Moiré se forme, ou pode distorcer ainda mais a imagem refletida dos desenhos serigráficos. Vidros de grandes dimensões possuem maior potencial de movimento para criar as condições para o surgimento do efeito Moiré. Prédios em processo de construção também possuem maior potencial para apresentar padrões Moiré porque as temperaturas dos vidros ainda não foram estabilizadas por temperaturas controladas. Mesmo sendo impossível identificar quando as condições sob as quais o padrão Moiré pode ocorrer, as seguintes circunstâncias são suscetíveis a apresentar esse efeito:

  • 1) Modelos de linhas bem próximas umas das outras, ou desenho serigráfico aplicado sobre duas faces de vidro (vidro insulado).
  • 2) Em menor grau, desenhos serigráficos com pontos cheios e vazados com pouco espaçamento entre eles.
  • 3) Unidades de vidros insulados usados em áreas de spandrel (vãos cegos).
  • 4) Vidros de grandes dimensões, com uma relação (razão entre comprimento e largura) de menos de 2:1.
  • 5) Vidros com alto grau de transparência (incolores ou com revestimentos low-e).
  • 6) Aplicações em shadow box.

A GlassecViracon recomenda que um protótipo em tamanho natural seja utilizado para avaliar os projetos que contemplem a aplicação de desenhos serigráficos. O protótipo deve ser instalado no local da edificação e ser visualizado sob condições de temperatura e iluminação variadas.

Tratamento térmico é o processo pelo qual o vidro passa em um forno de têmpera a fim de alterar suas características de resistência a variações térmicas e mecânicas. Esse processo reforça as propriedades do vidro float, fazendo com que obtenha padrões de quebra adequados a aplicações em envidraçamentos de segurança quanto a este aspecto. A GlassecViracon processa dois tipos de vidro que resultam desse tratamento por calor: o termoendurecido e o temperado. Para tratamento térmico em vidros com revestimento de controle solar, a GlassecViracon recomenda espessura mínima de 6 mm.

VIDRO TERMOENDURECIDO

É duas vezes mais resistente que o vidro float da mesma espessura e tamanho. Em caso de quebra, os fragmentos do vidro termoendurecido apresentarão características similares às do vidro float, não se desprendendo do vão.

Esse tipo de vidro é tratado termicamente para ter uma compressão de superfície entre 3.500 e 7.500 psi e que atenda aos requisitos ASTM C 1048 para vidro termoendurecido.

VIDRO TEMPERADO

É entre quatro e cinco vezes mais resistente que o vidro float e duas vezes e meia mais resistente que o vidro termoendurecido com a mesma espessura e tamanho. Em caso de quebra, o vidro temperado forma pedaços pequenos e relativamente inofensivos, reduzindo as chances de ferimentos e facilitando sua soltura dos caixilhos.

Esse tipo de vidro é tratado termicamente para ter uma compressão mínima da superfície de 10.000 psi ou uma compressão de borda igual ou superior a 9.700 psi, e que atenda aos requisitos da NBR 14698:2001 ou da NBR 7199:1989 para envidraçamento em construção civil.

A GlassecViracon oferece opções de furos e recortes para customizar o seu produto.

Entre em contato com nossa equipe para conhecer as alternativas.

A seguir você encontra os padrões de corte fornecidos pela GlassecViracon.

Caso queira um modelo especial, entre em contato com nossa equipe.
PADRÕES COM ÂNGULO DE 90º
PADRÕES SEM ÂNGULO DE 90º
PADRÕES EM RAIO
OUTROS MODELOS

Bordas filetadas, lapidadas ou lapidadas polidas. Estes são os três tipos de acabamento disponibilizados pela GlassecViracon.

Para um acabamento especial, entre em contato com nossa equipe.

Filetado

Processo que elimina as superfícies cortantes, tornando as bordas levemente escantilhadas.

Borda Lapidada

Processo que elimina as superfícies cortantes, tornando as bordas lisas e com aparência cinza-esbranquiçada.

Borda Lapidada Polida

Processo que elimina as superfícies cortantes, tornando as bordas lisas e com aparência brilhante.